RECEBA NOSSO CONTEÚDO DE FORMA GRATUITA DIRETAMENTE NO SEU EMAIL

Grupo StudiowebinariosPor que tantas startups dão errado?

Por que tantas startups dão errado?

Atualmente, segundo a Associação Brasileira de Startups (ABStartups), o Brasil conta com mais 12 mil startups cadastradas, sendo que a região Sudeste representa 46% desse número, com a região Sul sendo a segunda mais representativa, com 17%.

Realidade das startups no Brasil

No Rio Grande do Sul, por exemplo, há 21 parques tecnológicos e 30 incubadoras. Até 2015, o Estado era o último no Brasil no ranking de investimento na nova economia e em startups – algo que mostra como o investimento dá resposta rápida. No Estado vizinho de Santa Catarina, as startups já representam 5,6% da economia do Estado.

Com o setor de startups cada vez mais em voga, algo representado pelos números acima, é importante analisar fatores que possam ser melhorados e impulsionar as empresas que atuam neste âmbito. Por isso, é relevante questionar: por que tantas startups dão errado?

Segundo o Sebrae, 25% das startups falham no primeiro ano. Já 50% falham antes de chegar aos 4 anos, e 75% têm esse destino antes do 13º ano. Como esse tipo de empresa lida em um ambiente de muita incerteza, por sua própria natureza empreendedora, é natural que sejam feitas tentativas e erros – ainda mais do que em um ambiente empresarial mais tradicional.

Motivos de insucesso

Os motivos que fazem uma startup falhar têm a ver com a etapa em que essas empresas estão. No que diz respeito a empresas em uma etapa inicial, quando ainda há elementos como aceleradoras e investidores-anjo, a preocupação desses investidores tem mais a ver com o perfil do empreendedor e de seu time, uma análise mais da capacidade do empreendedor do que objetivamente do modelo de negócio proposto.

Caso o empreendedor já tenha feito avaliação de hipótese e mostrou que o mercado tem essa necessidade, com um mercado representativo, esse é um sinal verde para o investidor aportar recursos. Se já há um modelo de negócio que faz sentido para o mercado e para a empresa, começa-se a se pensar em rodadas de venture capture e as análises passam a ser feitas no que diz respeito a escalabilidade, canal de vendas etc.

Incubadoras e aceleradoras

Esse tipo de entidade tem uma importância relevante no sucesso de uma startup por questões de educação – já que servem como um fomento desse ecossistema, além de trocarem experiência com empreendedores nos âmbitos de processo e metodologia – e por questões financeiras em um segundo momento.

É importante o aporte de incubadoras ou aceleradoras no momento de mudança de escala em uma startup, quando é preciso tracionar ou dar um passo a mais com a empresa. Por isso, é preciso ter como norte que o primeiro cliente de uma startup é o seu primeiro investidor.

Assista ao webinário “Por que tantas startups dão errado?” na íntegra:


Leia mais:

Assista também:


Redação Grupo Studio