RECEBA NOSSO CONTEÚDO DE FORMA GRATUITA DIRETAMENTE NO SEU EMAIL

Grupo Studio Franquias Studio FiscalQual a diferença entre lucratividade e rentabilidade em uma empresa?

Qual a diferença entre lucratividade e rentabilidade em uma empresa?

Lucratividade e rentabilidade são dois conceitos que, embora possam se parecer, representam resultados distintos em termos financeiros e empresariais. Por exemplo, um negócio pode ser lucrativo e não ser rentável para a empresa.

Parece confuso? Nem tanto, se considerarmos basicamente a origem dos recursos necessários para se alcançar cada um dos objetivos. De qualquer forma, todo empreendimento de sucesso precisa ter bem definidos os conceitos e trabalhar em cima de suas diferenças.

Para manter as finanças sob controle e ter bons resultados operacionais, não há caminho que não seja o do controle financeiro. Vamos entender por que neste post. Acompanhe!

O que é lucratividade?

A lucratividade é a noção mais fria e direta que se obtém a respeito do resultado financeiro positivo de uma empresa. Assim, ela nada mais é que um indicador cuja finalidade é mostrar qual percentual de lucro uma empresa consegue obter a partir de suas atividades, abatidos todos os seus custos.

Por exemplo, se uma empresa apresenta lucratividade de 15%, isso significa que, a cada R$ 100,00 de receita bruta, R$ 15,00 ficam como lucro, após deduzidos todos os custos envolvidos nas atividades e operação.

A análise pura e simples desse indicador, ainda que ele apresente um resultado positivo, como veremos adiante, não é capaz de confirmar o sucesso financeiro de uma empresa, já que inúmeras outras variáveis precisam ser consideradas.

Como calculá-la?

A matemática envolvida no cálculo da lucratividade é relativamente simples de ser compreendida. Para começar, precisamos estabelecer o que representam lucro e receita dentro de um resultado financeiro.

Toda venda ou soma de operações comerciais em dado período implica arcar com custos e despesas. Antes de um sapato ser colocado à venda, por exemplo, houve um gasto com matéria-prima para a sua confecção, mão de obra, transporte e armazenagem. Depois de vendido, serão ainda contabilizadas as despesas com tributos e comissões, entre outros possíveis gastos.

Portanto, ao vender, depois de retirados todos os gastos implicados antes e após a saída de um produto da loja, temos o lucro. O quanto esse lucro representa, considerando a receita bruta, é a lucratividade. Sua fórmula é:

Lucratividade = (lucro líquido/receita bruta) x 100

Se a loja vende um sapato a R$ 200,00, e desse valor R$ 40,00 são para pagar impostos, R$ 20,00 para comprar insumos e outros R$ 20,00 para pagamento de pessoal, para cada par vendido o lucro é de R$ 120,00. Se, em um mês, forem vendidos cem pares, teremos como receita bruta o valor de R$ 20 mil. Descontadas as despesas, resta como lucro o valor de R$ 12 mil. Logo, a lucratividade fica em:

12/20 x 100 = 60%

O que é rentabilidade?

A rentabilidade, por outro lado, é compreendida de uma forma mais profunda e vai além da análise fria dos números. Isso porque esse indicador tem impacto direto na viabilidade do negócio. Ou seja: o ideal é que uma empresa apresente alta rentabilidade para que se mantenha sólida no mercado.

A rentabilidade, como veremos adiante, apesar de também considerar o lucro líquido da empresa, não leva em consideração a receita bruta, mas os investimentos realizados para que a empresa opere.

Como calcular esse indicador?

No caso da rentabilidade, entra em cena outro componente, o investimento. Voltando aos sapatos, vamos supor que seja um modelo novo e que para seu lançamento tenham sido investidos R$ 5 mil em campanha publicitária.

Para se chegar à rentabilidade do novo produto, o cálculo é parecido com o da lucratividade, só que, em vez da receita bruta, precisamos considerar o valor investido. Teremos então:

Rentabilidade = (lucro líquido/investimento) x 100

Para a nossa campanha de lançamento, a rentabilidade ficará em:

12/5 x 100 = 240%

Ou seja, o produto rendeu 2,4 vezes mais que o valor investido para seu lançamento. Repare que, se esse investimento fosse de R$ 15 mil, por exemplo, a rentabilidade ficaria abaixo de 100%, o que significa que o negócio apresentou prejuízo.

empresa

O que distingue lucratividade e rentabilidade?

Ao avaliar o quanto um negócio é lucrativo, pesa mais o custo total envolvido na cadeia produtiva até que chegue ao consumidor. No caso da rentabilidade, além dos custos, o empresário deve avaliar o investimento realizado, o que implica, de certa forma, uma relação com o tempo um pouco mais urgente.

Se um investimento não é rentável no tempo adequado, acaba se tornando fonte de prejuízo. Mesmo assim, caso a lucratividade seja constante, pode ser que compense investir. Tudo vai depender de aspectos como sazonalidade, perecibilidade dos itens à venda, tendências do consumidor e outras variáveis.

Qual a diferença entre o lucro na DRE e o lucro no fluxo de caixa?

Outro ponto que merece atenção nessa discussão acerca de lucratividade e rentabilidade é a diferença do lucro na DRE (demonstração do resultado do exercício) e no fluxo de caixa — dois importantes relatórios que auxiliam na gestão financeira de uma empresa.

Inicialmente, a DRE e o fluxo de caixa têm como principal ponto distintivo que, enquanto a primeira é feita a partir do regime de competência, a segunda se baseia no regime de caixa.

Na prática, quando se fala em lucro, a principal diferença está na forma como as vendas e seus respectivos custos são tratados, ficando da seguinte maneira:

  • em uma DRE, as vendas são contabilizadas no ato, independentemente da forma como a empresa receberá os valores — à vista ou a prazo, por exemplo;
  • no regime de fluxo de caixa, por outro lado, os valores são contabilizados à medida que passam a integrar o caixa da empresa.

Para facilitar a compreensão, imagine que uma empresa tenha feito uma venda no valor de R$ 500, mas o cliente optou por pagar em cinco parcelas. A depender do regime, o tratamento muda:

  • DRE: os R$ 500 seriam contabilizados de uma única vez, ainda que a venda tenha sido parcelada;
  • fluxo de caixa: a venda será contabilizada da mesma forma como o cliente a quita. Assim, seriam cinco parcelas de R$ 100.

É por esse motivo que o cálculo do lucro na DRE tende a apresentar resultados diferentes daqueles obtidos a partir do fluxo de caixa. Por causa dessas (e outras) diferenças, o lucro da DRE e o lucro do fluxo de caixa tendem a apresentar números diferentes.

Nesse caso, o fluxo de caixa é mais fiel na demonstração da realidade financeira do negócio, já que retrata as entradas e saídas de recursos de forma pormenorizada.

Por fim, como vimos, saber o que é lucratividade e rentabilidade é um passo importante para o sucesso da gestão financeira de uma empresa. Esses indicadores fornecem uma perspectiva necessária para a condução do negócio, verificando seu desempenho e viabilidade ao longo do tempo.

Agora, que você está mais bem informado, que tal compartilhar este artigo nas redes sociais e contribuir para que outras pessoas também tenham acesso a essas informações? Compartilhe!

 


Acesse nossos eBooks gratuitos:

empresa
Guia da Consultoria Tributária – A forma mais segura de sua empresa pagar menos impostos
empresa
Manual da gestão tributária: Guia prático para empresários

 


José Carlos Braga Monteiro

Detentor das empresas Studio Fiscal, Studio Law, Studio Corporate, Studio Brokers, E-Fiscal, E-contábil e Studio Energy, o Grupo Studio apresenta serviços corporativos inteligentes com uma experiência de mais de 20 anos. Presente em todo o território nacional por meio de seus franqueados e aliançados, o Grupo Studio apresenta uma grande sinergia quanto aos seus modelos de negócio, oferecendo soluções completas para empresas.