RECEBA NOSSO CONTEÚDO DE FORMA GRATUITA DIRETAMENTE NO SEU EMAIL

Grupo StudioStudio EnergyUso de fontes renováveis é um caminho sem volta, revela BP Energy Outlook

Uso de fontes renováveis é um caminho sem volta, revela BP Energy Outlook

O mundo está caminhando para um crescimento sem precedentes no uso de recursos renováveis. Foi desta forma que Spencer Dale, economista-chefe da BP, definiu as tendências globais na expansão de energia para os próximos 30 anos. Nas três situações que compõem a versão 2020 do BP Energy Outlook, a curva é de crescimento no uso de novas energias e queda no uso de combustíveis fósseis.

A velocidade dessas mudanças dependerá da adoção de políticas que incentivem as energias renováveis. Dale citou fontes como eólica, solar, biomassa e geotérmica como a principal força motriz para essa expansão, com as duas primeiras áreas liderando o caminho. A situação que a BP apresenta através da Internet é baseada na visão de que, impulsionada pela crescente prosperidade e padrões de vida do mundo emergente, a demanda global por energia está crescendo. Ele citou a eletrificação de sistemas e a mobilidade, com foco no aumento desse consumo.

A curva do gráfico mostra claramente o crescimento das energias renováveis, que é a maior fonte de energia importante, com exceção das hidrelétricas. O executivo afirmou, porém, que antes de chegar ao fim do campo de visão, há um período de transição da matriz energética bastante diverso, que em meados desta década terá mais características até por volta de 2040. A escala da mudança varia muito entre os diferentes cenários. Em 2018, a participação dos hidrocarbonetos na energia primária caiu cerca de 85% e em 2050 cairá para entre 65-20% e as energias renováveis ​​aumentará para 20-60. %.

Quanto ao petróleo e combustíveis fósseis, tudo mostra um declínio na demanda nos próximos 30 anos: em 2050, o chamado “business as usual” (BAU) cairá 10%, um rápido declínio de cerca de 55% e um rápido declínio de 80%. O valor líquido zero é pequeno . No BAU, a demanda se estabilizou no início da década de 2020, enquanto em outros períodos, nunca se recuperou totalmente do declínio causado pelo covid-19. Apenas no setor de transportes ela atingirá seu pico em meados da década de 2020.

Por sua vez, o gás natural pode desempenhar dois papéis importantes na aceleração da transição para um sistema de energia de baixo carbono. O primeiro é a transição do carvão em economias em desenvolvimento de rápido crescimento, onde a energia renovável e outros combustíveis não fósseis podem não crescer rapidamente para substituir o carvão. Além disso, pode ser usado em conjunto com o CCUS (Carbon Capture Utilization and Storage) como uma fonte de energia (quase) zero de carbono. Em 2050, a combinação de gás natural e CCUS será responsável por 8-10% da energia primária em um consumo rápido e líquido zero de energia.

A BP apontou as principais características de cada situação em sua publicação anual. O Rapid pressupõe que medidas políticas foram tomadas com base em um aumento substancial nos preços do carbono, que resultará em uma redução de 70% nas emissões do uso de energia até 2050 em comparação com os níveis de 2018. Limite o aumento da temperatura global até 2100 a um nível bem abaixo do nível pré-industrial de 2°C.

De forma geral, o net zero pressupõe que haja mudanças importantes no comportamento e nas preferências da sociedade e dos consumidores, como a ampla adoção da economia circular e da economia compartilhada e a mudança para a energia de baixo carbono, e medidas políticas podem ser tomadas rapidamente. Em 2050, a redução nas emissões de carbono excederá 95%. Este cenário é consistente com vários cenários onde o aumento da temperatura é limitado a 1,5°C.

Por outro lado, o BAU é o mais lento dos três e assume que as políticas governamentais, a tecnologia e as preferências sociais continuam a se desenvolver da forma e velocidade mais recentes. As emissões de carbono do uso de energia atingiram o pico em meados da década de 2020, mas não foram significativamente reduzidas. Em 2050, as emissões serão menos de 10% abaixo dos níveis de 2018.

Nos dois primeiros casos, os preços do carbono devem subir significativamente: até 2050, os países desenvolvidos atingirão US $ 250 / tonelada de dióxido de carbono, enquanto as economias emergentes atingirão US $ 175 / tonelada. No cenário BAU, esse valor é significativamente menor, sendo que em 2050 o valor médio das economias avançadas e emergentes será de US $ 65 e US $ 35 / ton CO2, respectivamente.

Cenário brasileiro

Dale definou o Brasil como um “país abençoado e com um grande potencial”, citando especificamente a biomassa para combustíveis. Além disso, o crescimento das energia renováveis em solo brasileiro aliado à base hidrelétrica tornam o país uma das regiões com o mix de energia mais baixo em carbono.

Entre os pontos destacados na publicação estão: crescimento da demanda por energia em cerca de dois terços nos três cenários; no cenário rapid, o consumo de energia a partir de fontes renováveis quase quadruplica até 2050 para chegar a 46% da matriz energética; e a produção de petróleo no cenário rapid atinge seu pico no final da década de 20. No cenário BAU, o crescimento continua na década de 2030, atingindo o pico apenas no final dos anos 30.

Outras tendências apontadas pela BP indicam que o consumo de energia primária no Brasil expande entre 60% a 66% até 2050, com o consumo de energia per capita aumentando em cerca de 50%. A maior parte do crescimento vem da indústria, que expande 83% no BAU, 101% no rapid e 111% no net zero. O setor de transporte é a segunda fonte de crescimento da demanda por energia.

E ainda, a demanda por energia elétrica mais do que dobra em todos os cenários até 2050. A participação das energias renováveis aumenta de 17% em 2018 para 45% no BAU, 47% no net zero e 51% no rapid.

Fonte: Canal Energia


Redação Grupo Studio