RECEBA NOSSO CONTEÚDO DE FORMA GRATUITA DIRETAMENTE NO SEU EMAIL

Grupo StudioStudio EnergyPetroleira BP projeta expansão de baixo carbono em sua matriz

Petroleira BP projeta expansão de baixo carbono em sua matriz

Uma das maiores companhias petroleiras do mundo, a britânica BP, apresentou recentemente sua estratégia para 2030. A empresa continua com a tendência de redução de carbono em suas atividades onde o petróleo assume um papel cada vez menos, mas segue no portfólio de produtos. Agora, são questões como eletricidade de baixo carbono, hidrogênio e CCUS, bioenergia e integração do gás natural, que estão em destaque.

No evento BP Day, que aconteceu de maneira totalmente online, os números apresentados pela companhia revelam que em desenvolvimento de fontes renováveis a multinacional projeta passar de 2,5 GW para 50 GW ao final desse período. Um aumento de 20 vezes o anunciado em 2019. Em energia elétrica negociada o volume projetado é o dobro, passando dos 250 TWh para 500 TWh. Mesma perspectiva de crescimento em GNL que estava em 14,9 Mtpa para 30 Mtpa. Em bioenergia a elevação é de 22 Kbd para mais de 100 Kbd.

O Brasil apareceu com destaque no portfólio da BP tanto em gás com as usinas do Porto do Açú, da GNA onde a empresa tem participação, e também em bioenergia por conta de biocombustíveis e a produção de etanol de cana de açúcar.

Em geração de energia elétrica, contudo, o maior volume de projetos em desenvolvimento encontra-se nos Estados Unidos e na Europa com 9 GW e 7 GW de potência instalada, respectivamente. Na América Latina são 2 GW, mesmo volume verificado na Ásia e 200 MW no Oriente Médio/África.  A fonte predominante é a solar com 83% desse total, a eólica vem distante com 15% e 2% de bioenergia.

O vice-presidente executivo da área de Gás e Energia de Baixo Carbono, Dev Sanyal ressaltou que esse portfólio apresenta características que colocam a empresa com confiança na expansão e rentabilidade. Ele relatou que estão localizados em mercados de crescimento rápido. Que a BP possui a capacidade e o conhecimento para implementação. Considera esse um pipeline robusto e que estão confiantes de retorno sobre o investimento em índices que variam de 8% a 10%.

Para finalizar, a BP também atua em uma nova área no sentido de seguir à descarbonização da matriz energética. É por meio do atendimento a cidades, países e corporações. No foco da empresa estão sistemas de mobilidade, eficiência energética e sistemas de energia, que apresentam um potencial ao passo que as cidades vêm buscando melhorar a qualidade de vida, com menor emissão de carbono nesses ambientes cada vez mais complexos e mais populosos, destacou a BP em seu evento anual, citando exemplos na cidade de Aberdeen (Reino Unido), Houston (Estados Unidos) e a meta do governo da Tailândia em mudar sua capital que atualmente é Jacarta.

Já em cooperação no nível corporativo, destacou o contrato recém fechado com a Microsoft voltada para a digitalização  de sistemas de energia e a redução de emissões de ambas companhias. A ideia nesse acordo é de que a Microsoft alcance as metas de gases de efeito estufa até 2025. O acordo engloba além de Estados Unidos e Europa, a América Latina.

Fonte: Canal Energia


Redação Grupo Studio