RECEBA NOSSO CONTEÚDO DE FORMA GRATUITA DIRETAMENTE NO SEU EMAIL

Grupo StudioStudio EnergyEnergia renovável pode auxiliar na recuperação econômica, diz Irena

Energia renovável pode auxiliar na recuperação econômica, diz Irena

Avançar com uma transformação baseada em energia renovável é uma oportunidade para cumprir as metas climáticas internacionais, ao mesmo tempo em que promove crescimento econômico, criando milhões de empregos e melhorando o bem-estar da humanidade até 2050, aponta o primeiro relatório Global Renewables Outlook publicado nesta semana pela Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA, sigla em inglês).

Enquanto um caminho para aprofundar a descarbonização requer investimentos em energia de até US$ 130 trilhões, os ganhos socioeconômicos de tal medida podem ser massivos, revela o relatório. Transformar o sistema energético poderia promover ganhos cumulativos para o produto interno bruto (PIB) global acima do cenário business-as-usual, de até US$ 98 trilhões de agora até 2050. Essa medida quase quadruplicaria os empregos em energia renovável para 42 milhões, expandindo a mão-de-obra também em eficiência energética para 21 milhões e adicionando 15 milhões em flexibilidade de sistemas energéticos.

O diretor-geral da IRENA, Francesco La Camera, diz que “os governos estão enfrentando um desafio difícil de lidar com a emergência sanitária imposta pela pandemia de COVID-19 e, ao mesmo tempo, introduzir grandes medidas para estímulo e recuperação econômica”. Para ele, esta crise expôs as vulnerabilidades embutidas no sistema atual.

“Este relatório da IRENA mostra caminhos para que possamos construir economias sustentáveis, equitativas e resilientes, alinhando esforços de recuperação de curto prazo com os objetivos de médio e longo prazos do Acordo de Paris e dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas”, aponta La Camera. “Ao impulsionar as fontes renováveis e tornar a transição energética uma parte integral do esforço mais amplo de recuperação, os governos podem atingir múltiplos objetivos econômicos e sociais na busca por um futuro mais resiliente que não deixe ninguém para trás”.

O Global Renewables Outlook examina todos os setores do sistema energético, juntamente com as estratégias de investimento e as ações políticas necessárias para gerir essa transição. Ele explora formas de reduzir as emissões globais de dióxido de carbono (CO2) em pelo menos 70% até 2050. Além disso, uma nova perspectiva de descarbonização mais profunda mostra um caminho para que tenhamos emissões líquidas zero no sistema energético. A partir de cinco pilares tecnológicos, particularmente o hidrogênio verde e a eletrificação prolongada da utilização final, o relatório analisa como podemos substituir os combustíveis fósseis e reduzir as emissões da indústria pesada e nos setores mais difíceis para a descarbonização.

Investimento em baixo carbono teriam retorno financeiro significativo, aponta o relatório, com ganhos até oito vezes mais altos que os custos quando considerada a redução de externalidades ambientais e de saúde pública. Um caminho seguro para o clima requer investimentos cumulativos em energia de até US$ 110 trilhões até 2050, mas viabilizar uma neutralidade carbônica integral adicionaria outros US$ 20 trilhões.

O relatório também indica caminhos para a transição energética e socioeconômica em dez regiões do mundo. A despeito dos diferentes caminhos, existe a expectativa de que todas as regiões registrem percentuais crescentes de uso de energia renovável, com o Sudeste Asiático, América Latina, União Europeia e África Subsaariana numa trajetória de 70-80% de fontes renováveis utilizadas em seu mix energético até 2050. De maneira similar, a eletrificação da utilização final, como transporte e aquecimento, também cresceria em todo o mundo, excedendo 50% no Leste Asiático, América do Norte e em boa parte da Europa. Todas as regiões também registrariam ganhos significativos de bem-estar e crescimento líquido no número de empregos no setor energético, a despeito das perdas relativas aos combustíveis fósseis. No entanto, os ganhos em termos de economia e empregos seriam distribuídos de maneira desigual. Enquanto o crescimento do PIB regional mostraria variação considerável, muitas regiões poderiam esperar por ganhos.

Elevar a ambição regional e nacional é crucial para que possamos cumprir os objetivos energéticos e climáticos, ao mesmo tempo em que cultivamos bem-estar socioeconômico. Uma coordenação mais forte entre os níveis internacional, regional e doméstico seria igualmente importante, conclui o relatório, com apoio financeiro sendo direcionados aos mais necessitados, inclusive em muitos países e comunidades vulneráveis. Como parceira da Climate Investment Platform, lançada para facilitar e mobilizar investimentos em energia limpa, a IRENA seguirá agindo de forma colaborativa para ajudar os países a criar condições que viabilizem e liberem esses investimentos em renováveis.

Fonte: EcoDebate


Redação Grupo Studio