RECEBA NOSSO CONTEÚDO DE FORMA GRATUITA DIRETAMENTE NO SEU EMAIL

Grupo StudioStudio EnergyBrasil ainda destoa na busca pela transição energética, revela levantamento

Brasil ainda destoa na busca pela transição energética, revela levantamento

Um levantamento publicado pela DNV GL revela que a indústria de petróleo e gás prevê aumentar os investimentos em sistemas de energia este ano, ao passo que, as empresas buscam se transformar ao longo prazo sob o viés da sustentabilidade. Um recorde de dois terços, ou 66% dos profissionais seniores da indústria global de petróleo e gás, revelou que suas organizações estão se adaptando ativamente a uma matriz energética menos intensiva em emissões de carbono nesse ano, contra apenas 44% em 2018.

Ainda de acordo com o levantamento, 57% dos entrevistados apostam que os recursos dispendidos em projetos renováveis irão aumentar, 13% a mais do que no ano passado. Quase a metade espera elevar os aportes em gás verde ou descarbonizado e apenas 21% prevê incremento envolvendo projetos de petróleo.

Todavia, no Brasil, a expectativa é maior na expansão da indústria do que a média global, numa relação de 74% x 39%, mostrando uma queda muito menor nesse quesito em relação ao ano passado. O país também continua a ter uma perspectiva de investimento mais positiva do que os outros países do estudo, com mais do dobro da média global esperando um aumento em projetos e portfólio a partir do insumo nesse ano. Já as expectativas de aumento de recursos em gás natural permanecem estáveis em 37%.

De maneira geral, o estudo aponta que os executivos esperam que essas mudanças no direcionamento dos investimentos levem a uma reformulação mais ampla do setor. Oito em cada dez entrevistados acreditam que haverá um aumento em consolidações no próximo ano, crescimento de 14% em relação ao ano anterior.

A reorientação estratégica também pode envolver vendas de ativos e negócios, com 63% esperando mais cisões e desinvestimentos, ante 46% na análise anual, fator influenciado também pela pandemia e subsequente deterioração do setor de petróleo e gás.

No relatório Turbulência e Transformação, baseado em uma pesquisa global com mais de mil profissionais seniores, a DNV GL sugere que as prioridades das companhias estão mudando à medida que os investidores reavaliam os riscos de financiar projetos no segmento à medida que governos e indústria alocam bilhões em “estratégias verdes” após a eclosão da Covid-19.

“As empresas estão apostando no longo prazo ao fazer investimentos transformacionais, com o objetivo de navegar pelas múltiplas transições que ocorrem em velocidades diferentes ao redor do mundo”, comenta o Vice Presidente da DNV GL, Hans Kristian Danielsen, pontuando que a confiança é crescente nas oportunidades que se encontram em um futuro descarbonizado.

Além do mais, o levantamento também mostra que a indústria de petróleo e gás não está pisando no freio de gastos com tanta força quanto depois da crise em 2014. Enquanto a proporção de profissionais que esperam manter ou aumentar o capex no ano à frente caiu, de 72% para 62%, o volume é consideravelmente maior do que os 43% registrados após a última desaceleração.

Entretanto, o Brasil segue uma tendência contrária à mundial, com 69% dos executivos afirmando que a expectativa é de manter ou aumentar o capex, incremento significativo em relação a 2020, quando esses planos abarcaram 55% do público.


Redação Grupo Studio