RECEBA NOSSO CONTEÚDO DE FORMA GRATUITA DIRETAMENTE NO SEU EMAIL

Grupo StudioStudio AgroAgro é o único do PIB que registrou crescimento em 2020

Agro é o único do PIB que registrou crescimento em 2020

A agropecuária brasileira foi o único setor da economia que encerrou 2020 com crescimento, de 2%. O setor foi na contramão da Indústria (que registrou retração de 3,5%) e do setor de Serviços (-4,5%). Os dados foram divulgados na quarta-feira, 3, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

“A variação em volume do Valor Adicionado da Agropecuária no ano de 2020 (2,0%) decorreu do crescimento da produção e ganho de produtividade da atividade Agricultura, que suplantou o fraco desempenho das atividades de Pecuária e Pesca, com destaque para soja (7,1%) e o café (24,4%), que alcançaram produções recordes na série histórica”, informa o IBGE.

O resultado positivo da agropecuária no ano foi obtido mesmo depois de um 4º trimestre negativo. De acordo com o IBGE, o setor teve queda de 0,5% em comparação com o terceiro trimestre de 2020 e de 0,4% quando relacionado com o intervalo de outubro a dezembro de 2019.

“A Agropecuária apresentou variação negativa de 0,4% em relação a igual período do ano anterior, com destaque para produtos cujas safras são significativas no 4° trimestre, como a laranja (-10,6%) e o fumo (-8,4%)”, aponta órgão fiscalizador.

Pelo lado da demanda, todos os componentes recuaram em 2020, na comparação com o ano anterior. O consumo das famílias teve o menor resultado da série histórica (-5,5%).

No resultado geral, a economia brasileira encerrou 2020 com uma queda de 4,1%. O PIB totalizou R$ 7,4 trilhões em 2020, a Agropecuária 439,8 bilhões, a Indústria 1,3 trilhão, e Serviço R$ 4,7 trilhões.

No quarto trimestre, houve um crescimento de 3,2% em comparação com o terceiro trimestre do ano passado, com a agropecuária sendo o único setor com retração nesta comparação. Em relação ao quarto trimestre do ano passado, o Produto Interno Bruto do Brasil recuou 1,1%. A taxa de investimento, medida pela Formação Bruta de Capital Fixo, foi equivalente a 16,4% do PIB e a taxa de poupança representou 15%.

 


Redação Grupo Studio