RECEBA NOSSO CONTEÚDO DE FORMA GRATUITA DIRETAMENTE NO SEU EMAIL

Grupo StudioNotíciasPesquisa revela que WhatsApp desponta como ferramente de compra

Pesquisa revela que WhatsApp desponta como ferramente de compra

Além de ser muito usado para a comunicação, o WhatsApp se tornou uma ferramenta de compra para os brasileiros. É o que revela um levantamento feito pela Accenture em parceria com o Facebook, que aponta que o aplicativo está presente nas jornadas de consumo de 83% dos consumidores do país. A pesquisa identificou mais de 30 categorias de produtos e serviços adquiridos com o auxílio do aplicativo de mensagens instantâneas.

Os estabelecimentos comerciais locais ou de pequeno porte são os mais usados para compras no app, segundo 64% dos entrevistados. Os pequenos negócios dos segmentos de roupas, produtos de beleza e alimentos frescos/perecíveis chegar a ter alcance de 73% com a ferramenta.

A questão flexibilidade é essencial para o emprego do WhatApp no processo de compra. Conversas diretas com o vendedor possibilitam tirar dúvidas, negociar preços e condições de pagamento, consultar prazos e pedir recomendações para amigos e familiares. Para 56%, o contato com o vendedor ou a loja após a compra é a fase mais importante.

Para Costanza Gallo, líder de consultoria e estratégia em varejo da Accenture América Latina, o uso do WhatsApp pelo consumidor brasileiro para compras online pode sinalizar uma tendência no Brasil, o chamado “leapfrogging”: o mercado nacional pularia o estágio de domínio dos sites de e-commerce ou superapps e iria direto para a fase conversacional do e-commerce. Isso aproximaria o País do modelo asiático, também conversacional. “Quando olhamos para os mercados norte-americano e europeu, o e-commerce tem peso mais relevante e o consumidor médio utiliza o celular para comprar no app ou pelo site. Já o mercado asiático tem esse histórico de se comunicar por mensagem e, visto que o Brasil adotou tão fortemente o WhatsApp, pode ser e-commerce não chegue a essa penetração que chegou nos EUA e Europa”, afirma.

Constanza destaca que existem três quesitos que aos quais as marcas devem estar atentas para melhorar a experiência do consumidor no WhatsApp:

  • Gerenciamento de informação: comparação entre produtos, fazer a composição do pedido. Em geral, nos sites e nas lojas físicas, há uma vitrine com todo o catálogo disponível.
  • Falta de consistência: o WhatsApp ainda é um canal humano e chatbots são utilizados para agendamento, pagamento de faturas e rastreio de pedidos, mas não para fazer pedidos completos. Às vezes, o consumidor espera três dias por uma resposta. Para algumas lojas, o WhatsApp é um recurso para propaganda ou para pegar pedidos, enquanto outras concluem a venda e desenvolvem um acompanhamento pós-venda. Para os consumidores, o WhatsApp ajuda a criar uma rotina de compras personalizada.
  • Forma de pagamento: geralmente é utilizado um link que tira a pessoa da plataforma. O varejo precisa evoluir nesse ponto.

Fonte: Meio&Mensagem


Redação Grupo Studio