RECEBA NOSSO CONTEÚDO DE FORMA GRATUITA DIRETAMENTE NO SEU EMAIL

Grupo StudioStudio RHPesquisa releva o novo tripé de prioridades das empresas durante a pandemia

Pesquisa releva o novo tripé de prioridades das empresas durante a pandemia

Com os efeitos da pandemia, desde março boa parte das empresas está lidando com mudanças organizacionais e desafios financeiros. Considerando esse cenário, uma pesquisa feita pela Grant Thornton Brasil, empresa especializada em consultoria e auditoria, em conjunto com a Culture for Performance, focada em projetos de cultura organizacional, revelou que adaptabilidade, conectividade digital e atitude positiva são as três novas prioridades para as empresas.

O levantamento foi feito com dois mil colaboradores, em todas as regiões do país, entre os dias 19 de junho e de julho, e buscou compreender como a pandemia impactou as organizações e sua cultura.

Antes da pandemia, o valor ‘atingir objetivos’ era o mais relevante para as empresas, com 31% dos votos dos entrevistados, seguido de comprometimento (23%), crescimento na organização (22%) e, adaptabilidade, para apenas 22%. Contudo, durante a Covid, as prioridades das empresas mudaram.

A adaptabilidade triplicou de importância, subindo para a primeira posição. Também entraram na lista dos dez valores mais importantes alguns que não constavam antes, como conectividade digital (29%), atitude positiva (25%), bem estar (23%), cautela (20%), entre outros.

Para Ronaldo Loyola, sócio da área de Capital Humano da Grant Thornton, o resultado está alinhado com o contexto que o país e as empresas estão enfrentando em 2020.

“Durante a crise da Covid, as empresas estão tendo que se adaptar mais rapidamente, acelerando a digitalização do seu negócio. Além disso, aumentou a importância da aprendizagem e há uma grande demanda por bem-estar e por comunicação transparente e com significado”, explica ele.

Além disso, a atitude positiva também tem grande importância em um momento de crise: apesar das dificuldades, lideranças e times que mantêm uma visão otimista alinhada à estratégia saem na frente, conforme aponta o estudo.

Caio Brisolla, sócio da Culture for Performance, afirma que a mudança não aponta que as empresas deixaram de lado os valores pré-pandemia, mas sim que elas tiveram que redirecionar suas prioridades para sobreviver em um momento delicado como o atual.

“As empresas estão assumindo poucos riscos e as decisões são mais lentas. Os objetivos para o ano tendem a ser revistos e a agenda de crescimento perdeu força. Por outro lado, alguns itens que às vezes geram dispersão de energia dentro das organizações perderam força, como burocracia, controle e hierarquia”, avalia.

Segundo o estudo, boa parte do aprendizado das empresas durante a pandemia contribuirá para a retomada daqui para frente. A pesquisa aponta que seis dos valores mais vivenciados durante a Covid também são requisitados após a crise: adaptabilidade (52%), bem estar (30%), conectividade digital (27%), aprendizagem contínua (26%), atitude positiva (25%) e comunicação aberta (22%).

Mas, no momento pós-crise, duas outras prioridades voltam a aparecer no top 5 para os entrevistados: alianças estratégicas (29%) e agilidade (28%).

Fonte: InfoMoney


Redação Grupo Studio