RECEBA NOSSO CONTEÚDO DE FORMA GRATUITA DIRETAMENTE NO SEU EMAIL

Grupo StudioStudio BankDevido ao cenário de incertezas, investidores estão mais seletivos

Devido ao cenário de incertezas, investidores estão mais seletivos

Devido ao cenário de incertezas no setor doméstico, a janela de ofertas públicas de ações (IPO, na sigla em inglês) de abril começou com os investidores utilizando seu poder de barganhar preços.

Na terça-feira, 6, duas empresas chegaram ao momento de definir o valor da operação, entre elas, a LG Informática, que optou por não levar a oferta adiante. Entretanto, a Dasa aceitou o desconto e concluiu a operação.

O responsável pelas áreas de mercado de capitais e renda variável do Citi, Marcelo Millen, revela que o contexto atual é de um mercado seletivo para ofertas. Como por exemplo, a instabilidade do cenário doméstico pela questão fiscal e ainda em função do agravamento da pandemia.

Do lado do investidor, acrescenta, há tanto um pouco de saturação quanto desgosto com operações recentes. “O que não tem ajudado em nada é a performance fraca na bolsa dos IPOs que estrearam em janeiro e fevereiro, com raras exceções”, diz Millen.

Por hora, existem dez IPOs lançados, incluso Dasa e LG. Mas a janela contou com aproximadamente 50 operações em análise na Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

Essas empresas, até mesmo para decidir se lançariam ou não a operação, marcaram reuniões com investidores para apresentar o negócio. Por isso, a saturação do mercado e a falta de braço para acompanhar tantas operações.

Sem citar ofertas específicas, Millen comenta que a volatilidade atual do mercado é o que mais atrapalha na hora de concluir um IPO.  “A operação é apresentada com uma faixa de preços a partir de um racional para o negócio. E se há muito sobe e desce de cotações, perde-se a referência daquela faixa de preço inicial”, explica.

Nesse cenário, acrescenta o executivo do Citi, o investidor está somando tudo isso e utilizando seu poder de barganhar preço, o que não tem nada a ver com a qualidade das companhias. “É uma dinâmica de momento de mercado, em que a instabilidade favorece o poder do investidor de pedir o desconto. As operações que forem lançadas estarão sujeitas a isso”, afirma Millen.

A LG Informática, por exemplo, buscava R$ 900 milhões. Nas primeiras semanas da oferta, dizem fontes, até encontrou interessados na operação, mas as ordens não foram confirmadas no momento do encerramento do livro da oferta. A empresa chegou a sondar os investidores se haveria apetite com um desconto de 15%, mas nem assim conseguiu o volume pretendido.

A Dasa também teve de baixar um pouco as expectativas. A empresa chegou a sinalizar uma faixa de preços entre R$ 64,90 e R$ 84,50. Todavia, na manhã de terça-feira, 6, divulgou uma nova faixa, entre R$ 56,75 e R$ 60. Mas, ao fim do dia, com ordens de investidores estrangeiros, fechou a operação a R$ 58 e levantou R$ 3,8 bilhões.

Outro investidor afirma que gostou do negócio que viu, mas concordou que o “valualtion” inicial estava muito elevado. Ele reclamou também da concentração de ofertas do setor de saúde nessa temporada. Da lista que está lançada, metade tem ligação com o segmento: são duas redes hospitalares, Mater Dei e Care; uma distribuidora de medicamentos, a Viveo, também da família Bueno; além da Blau Farmacêutica. Além dessas novidades, a Hapvida, já conhecida dos investidores, prepara uma oferta subsequente, que pode movimentar entre R$ 3 bilhões e R$ 4 bilhões.

A aposta dos bancos de que haverá demanda para tantas operações está na resiliência do setor e na pouca representatividade na bolsa hoje. Mas isso vai depender, de novo, do humor dos investidores e da disposição dos empresários em aceitar descontos.

Num cenário assim, de instabilidade, afirma uma fonte de banco de investimentos, o momento é mais favorável para as histórias conhecidas, de empresas com boa governança e gestão, e principalmente, para as operações maiores. “Os investidores estão colocando mais incertezas com a questão interna nos modelos. Mais risco leva a descontos maiores para entrar nas operações. Aqueles empresários que acharem que não precisam dos recursos agora, podem esperar por outra oportunidade mais à frente”, afirma o executivo.

Para ele, o cenário de juros mais baixos mudou a leitura das janelas para as operações. “Com juros de dois dígitos, a empresa quando decidia pelo IPO tinha urgência em vir a mercado, pois a janela poderia fechar e ninguém saberia dizer quando é que ela reabriria. Mas nesse ambiente de juro real mais baixo, me parece que vamos ter janelas de mercado mais duradouras. Ou, ainda que fechem, vão reabrir mais rapidamente”, afirma.

A questão do tamanho da operação importa para que o investidor fique mais tranquilo em relação à liquidez das ações na bolsa; ou seja, enxergue uma porta para a saída do investimento.

Millen, do Citi, se diz otimista com o mercado e também aponta um momento de mudança estrutural, com o juro em patamar mais baixo, e a migração dos investidores da renda fixa para a variável, que tem alimentado a criação de muitas gestoras de ações.

Fonte: Valor Investe.

 


Redação Grupo Studio