RECEBA NOSSO CONTEÚDO DE FORMA GRATUITA DIRETAMENTE NO SEU EMAIL

Grupo StudioNotícias2020: mercado prevê retração de 0,48% no PIB

2020: mercado prevê retração de 0,48% no PIB

Analistas do mercado financeiro passaram a prever contração no PIB (Produto Interno Bruto) brasileiro de 2020, segundo o relatório Boletim Focus divulgado pelo Banco Central nesta 2ª feira (30). A previsão do mercado na semana anterior era de 1 crescimento de 1,48%. Agora é uma queda de 0,48%.

Essa foi a 7ª queda consecutiva na previsão do indicador que representa a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia. As estimativas do mercado para o crescimento da economia em 2021 continuam em 2,5%.

O Boletim Focus é elaborado a partir da opinião de especialistas escutados pelo BC (Banco Central) na semana anterior.

O PIB nada mais é do que a soma de todos os bens e serviços produzidos no país e serve para medir a evolução da economia. Tanto o Ministério da Economia quanto o Banco do Brasil, revisaram na última semana as suas estimativas e passaram a prever estabilidade do PIB neste ano. De acordo com dados levantados pelo Instituto Brasileiro de Geografia, em 2019 o PIB cresceu 1,1% – pior desempenho em três anos. Já para 2021, a expectativa é de crescimento do PIB em 2,50%.

Selic

O mercado financeiro também antecipa um novo corte na taxa básica de juros da economia, a Selic, hoje em dia, na mínima histórica de 3,75% ao ano. Os economistas dos bancos, esperam que na próxima reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, no início de maio, a taxa seja reduzida em 0,25 ponto percentual para 3,5% ao ano e que assim seja mantida até o final de 2020.

A expectativa do mercado para a taxa Selic em 2021 recuou de 5,25% para 5% ao ano, o que sugere uma alta no juro no próximo ano.

Inflação

Ainda de acordo com o relatório do Banco Central, os analistas do mercado financeiro diminuíram a estimativa de inflação para 2020 de 3,04% para 2,94%. A expectativa de inflação do mercado para este ano segue abaixo da meta central, de 4%. O intervalo de tolerância do sistema de metas varia de 2,5% a 5,5%.

A meta de inflação é fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). Para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros da economia (Selic). Para 2021, o mercado financeiro reduziu a estimativa de inflação de 3,60% para 3,57%. No próximo ano, o objetivo central de inflação é de 3,75% e será oficialmente cumprida se o índice oscilar de 2,25% a 5,25%.

Estimativas

Dólar: a projeção para a taxa de câmbio no fim de 2020 permaneceu estável em R$ 4,50 por dólar. Para o fechamento de 2021, subiu de R$ 4,29 por dólar para R$ 4,30 por dólar.

Balança comercial: para o saldo da balança comercial (resultado do total de exportações menos as importações), a projeção em 2020 recuou de US$ 35,25 bilhões para US$ 35 bilhões de resultado positivo. Para o ano que vem, a estimativa dos especialistas do mercado subiu de US$ 34,90 bilhões para US$ 35,30 bilhões.

Investimento estrangeiro: a previsão do relatório para a entrada de investimentos estrangeiros diretos no Brasil, em 2020, permaneceu em cerca de US$ 80 bilhões. Para 2021, a estimativa dos analistas subiu de US$ 80 bilhões para US$ 81,40 bilhões.

Fonte: G1

 


Redação Grupo Studio