RECEBA NOSSO CONTEÚDO DE FORMA GRATUITA DIRETAMENTE NO SEU EMAIL

Grupo StudioGrow MarketingBlack Friday: 89% das pessoas no Twitter postergam compra de maior valor

Black Friday: 89% das pessoas no Twitter postergam compra de maior valor

A pandemia da covid-19 e o aumento da inflação tem mudado os hábitos de compras dos brasileiros, que passaram a pesquisar mais sobre os produtos e aproveitar os melhores momentos para consumir algo. De acordo com uma pesquisa realizada pelo Twitter em parceria com a MindMiners, 89% das pessoas que estão na plataforma no país postergaram compras de maior valor nos últimos tempos, aguardando um momento mais propício.

Deste modo, o Twitter pretende ser o lugar onde as pessoas vão para acompanhar conversas sobre a Black Friday: o Brasil é o segundo país que mais comenta sobre a data, atrás apenas dos EUA. “Durante a Black Friday, a plataforma se torna uma grande bússola de compras, já que o público pode obter informações sobre produtos e serviços que desejam comprar – antes, durante e depois da data”, diz Camilla Guimarães, head de pesquisa do Twitter Brasil.

Segundo ela, neste ano, dois terços das pessoas que usam a rede têm interesse maior ou igual na Black Friday em comparação com o ano passado. Além disso, 90% das pessoas afirmaram que a Black Friday é a época em que mais costumam utilizar a plataforma para buscar informações de marcas e lojas – antes mesmo da semana do consumidor (69%), realizada em março, e do Natal (67%).

O levantamento mostra ainda que três a cada quatro pessoas acreditam que o acesso a opiniões úteis sobre as marcas a partir de tweets torna o serviço importante neste momento, além de o percentual da audiência com maior patrimônio do Twitter ser 47% maior do que a do Brasil em geral.

“Em pesquisa recente, 26% dos entrevistados afirmaram que a relevância cultural é o principal fator de compra, atrás apenas do custo/benefício. Como resultado, uma campanha assertiva em tom e timing pode trazer bom desempenho em reconhecimento, associação de mensagem, favorabilidade da marca e intenção de compra”, diz Guimarães.

Fonte: Exame.



Redação Grupo Studio