RECEBA NOSSO CONTEÚDO DE FORMA GRATUITA DIRETAMENTE NO SEU EMAIL

Grupo StudioE-ContábilA importância do fluxo de caixa para as empresas

A importância do fluxo de caixa para as empresas

A movimentação financeira, seja via caixa ou banco, se faz presente nas empresas de uma maneira geral. Mudam, apenas, os valores e sua complexidade.Torna-se imprescindível que a empresa tenha controle de seu fluxo de caixa. Essa ferramenta é essencial e traz as  entradas e saídas dos recursos  financeiros com suas previsões de datas,oferecendo uma análise em curto prazo.

Sem o fluxo de caixa, não é possível prever se haverá recursos suficientes para sustentar as operações ou se será preciso recorrer a financiamentos bancários. É por meio dele que a empresa saberá de suas necessidades e como anda a geração de receita para honrar com seus compromissos. É possível também visualizar o fluxo futuro com previsões que dependem da precisão dos dados coletados.

O fluxo de caixa é importante para:

  • prever as necessidades de entrada de recursos com tempo de análise para
  • escolher aquela fonte que possuir menor custo para a empresa;
  • prever os períodos onde sobrarão recursos para aplicações;
  • avaliar a compatibilidade de prazos médios de recebimento e pagamentos para
  • fazer adequações;
  • identificar a capacidade de pagamento antes mesmo de assumir compromissos
  • financeiros;
  • avaliar o momento mais favorável para realizar promoções visando melhorar o caixa;

por fim, conhecer, de forma detalhada, todas movimentações e despesas e o impacto delas no lucro.

Há determinados procedimentos que podem comprometer a performance financeira das empresas. Entre eles, podemos citar a falta de atualização do fluxo, o fato de considerar venda com cartão como se fosse à vista, quando, na verdade, deve ser considerado como a prazo. Outro que se destaca é falha na comunicação entre o financeiro e o comercial, onde, por exemplo, o comercial conceda prazo para clientes, incompatível com o fluxo de caixa. Cabe também citar o fato de não relacionar todos compromissos de pagamentos e os direitos de recebimento.

O acompanhamento diário do fluxo de caixa é o que garante o verdadeiro controle e evita que nenhum dado financeiro, por menor que seja, perca-se. Para uma visão mais realista, considere o índice de inadimplência para os recebíveis e não considere as contas a receber vencidas, pois não é possível controlar quando irá recebê-las. Já as contas a pagar são diferentes: considere todas as contas vencidas para saber como ficará o saldo de caixa caso você pague tudo. 

A falta de recursos poderá implicar em situações que a empresa necessite contrair dívidas para pagar dívidas. Aí começa o perigo. Há medidas que podem ser usadas, visando evitar a concretização dessas situações.

Nesse caso, a empresa irá avaliar a “Necessidade de Capital de Giro” que é o montante de recursos que a empresa precisa para financiar suas operações, ou seja, o valor dos recursos que a empresa precisa para que seus compromissos sejam quitados nos prazos de vencimento.

Por fim, cabe observar que os valores a pagar são realidade, mas, os a receber são expectativas, diante dos documentos e controles que a empresa possui. Por isso, é bom sempre ter uma margem de segurança em relação aos recebíveis. Inclusive, ao histórico passado de cada cliente.


Leia mais:

Assista também:


Redação Grupo Studio