RECEBA NOSSO CONTEÚDO DE FORMA GRATUITA DIRETAMENTE NO SEU EMAIL

Grupo Studio Franquias Studio FiscalPor que e como fazer uma análise de custos?

Por que e como fazer uma análise de custos?

Ainda hoje, muitos empresários não se dão conta, mas poderiam evitar diversos problemas na gestão financeira do negócio caso dessem uma importância maior à análise de custos e se interessassem mais em aprender a como fazer uma análise dessa natureza.

Por esse motivo, não desperdice essa excelente oportunidade, uma vez que o controle dos gastos, poder de decisão e margem satisfatória de lucro são exemplos de boas práticas que ela pode trazer à sua empresa.

Ficou interessado no assunto? Deseja saber como se faz uma análise de custo qualificada? Então, este artigo foi pensado especialmente para ajudar você nessa importante tarefa. Acompanhe!

O que é uma análise de custos?

Trata-se de uma estratégia de custeio que as organizações utilizam para ter uma noção mais exata dos gastos atribuídos na produção de bens e serviços.

Na maioria das vezes, a análise de custos é feita com mais rigor sobre os custos indiretos, visto que é preciso mensurá-los por meio de algum critério de rateio. Isso porque os custos fixos são mais fáceis de serem identificados.

Por fim, é possível realizar a análise de custos de acordo com métodos de custeio. Entre eles, os mais comuns são:

  • custeio por absorção;
  • custeio direto ou variável;
  • custo baseado em atividades.

Quais são os benefícios para as organizações?

A importância da análise de custos, para alguns, pode ser até questionada. No entanto, para os mais esclarecidos, não é bem assim. Ela é fundamental para conceder as informações necessárias a respeito dos gastos produtivos e, também, da rentabilidade empresarial.

Além disso, é possível avaliar detalhadamente cada custo produtivo e chegar à conclusão de que os cortes são necessários para aumentar a margem de lucro, por exemplo. Contudo, como veremos adiante, esses não são os únicos benefícios dessa importante prática.

A seguir, listamos outras vantagens que confirmam como a análise de custos é um diferencial valioso. Confira!

Classificação mais precisa dos custos

Um dos reflexos positivos mais nítidos da análise de custos é a classificação aprimorada dos custos. Colocando essa análise em prática, a empresa pode, por exemplo, desenvolver subgrupos de custos mais refinados, inserindo custos pontuais em categorias mais precisas, dentro das demonstrações de resultado do período.

Melhor alocação de recursos

Em um cenário de alta competitividade empresarial, não dá para ver o capital da empresa escoando por falta de controle. É preciso ser estratégico, aplicando cada centavo de forma inteligente. Nesse ponto, a análise de custos é essencial.

A partir de rotinas de controle delineadas adequadamente, relatórios mais organizados e simplificados, é possível reduzir o desperdício de recursos financeiros com custos que podem ser cortados ou, no mínimo, reduzidos.

No final de um período, essa economia pode ser alocada em pontos mais benéficos para a empresa, como em novos investimentos em infraestrutura.

Dados mais enriquecidos

Como reflexo do tópico anterior, a sua empresa terá um suporte informativo financeiro muito mais transparente das atividades. A categorização mais eficiente ajuda gestores, líderes e o setor contábil a entender como, quando e quanto dos recursos está sendo gasto, se estão sendo devidamente aproveitados ou se podem ser melhor direcionados.

Com dados mais ricos, a tomada de decisão é fortalecida. Por exemplo, consegue-se identificar gargalos nas atividades, isto é, pontos que estão gastando mais do que o necessário, ou do que já foi aplicado em outros períodos de funcionamento da empresa.

Agilidade no diagnóstico financeiro

Outro quesito que pode ser tido como um grande benefício da análise de custos é a agilidade no diagnóstico de inconsistências. A lógica é bastante simples: como a empresa trabalha com expedientes gerenciais mais organizados e, principalmente, mais detalhados, os gestores têm uma maior visibilidade sobre as finanças, além de um suporte mais fiel dos dados.

Como desdobramento positivo, consegue-se identificar quaisquer falhas na composição das contas e pontos que indiquem que algo não foi devidamente computado, gerando erro nos relatórios.

A vantagem desse diagnóstico rápido e eficaz é garantir que a empresa não incorra em gastos desnecessários pelo simples fato de não perceber a falha nos cálculos — o que é muito comum quando não se realiza uma gestão de custos mais detalhada.

Por fim, uma organização que preza por investir em análise de custos obtém a predisposição de gastar menos para lucrar mais. É exatamente isso que você deseja, não é? Portanto, não a descarte!

Como fazer uma análise de custos?

A resposta para esse questionamento, muito provavelmente, foi o que o trouxe até aqui. Por isso, indo direto ao ponto, para fazer uma boa análise de custos, uma ação é fundamental: controle.

Como típico expediente de gestão, essa análise se baseia no controle pormenorizado de todos os custos envolvidos na prestação de um serviço ou fabricação de um produto. Ou seja, depende do quanto a empresa é capaz de registrar suas saídas de capital, escriturando-as de uma maneira tal que se torne possível afirmar com precisão quanto a empresa gasta para operar.

Uma organização sem análise de custos é o mesmo que você caminhar no escuro, posto que o controle dos gastos e o desempenho produtivo fica à mercê da sorte. Por esse motivo, é imprescindível que você se apoie nesse expediente e comece a utilizá-la a seu favor!

Caso você não saiba fazer isso, não se preocupe. Vamos ajudá-lo! Basta seguir o passo a passo descrito adiante.

1. Defina a unidade de análise

O primeiro passo para realizar uma análise de custos eficaz é saber exatamente o que será medido como gasto desde o início da atividade produtiva. Na maioria das vezes, mede-se os custos em dinheiro, mas podem ser apurados em tempo, energia e outras variáveis que vão além das finanças.

2. Liste os custos tangíveis e intangíveis

As empresas convivem diariamente com os custos tangíveis e intangíveis. Por essa razão, analisá-los é fundamental, pois ambos estão associados à produtividade rotineira do seu negócio.

Por esse motivo, listamos alguns exemplos que devem ser levados em consideração:

  • mão de obra;
  • matéria-prima;
  • fidelidade dos clientes;
  • tempo produtivo.

3. Verifique os benefícios esperados

O propósito de qualquer análise de custos é demonstrar se houve mais ganhos do que perdas em um negócio. Para isso, precisa listar os benefícios e também todos os custos, uma vez analisados.

4. Efetue o cálculo do custo-benefício

Na maioria das vezes, o custo-benefício é o ponto crucial do negócio, porque permite identificar monetariamente se o projeto trouxe mais ganhos do que custos. A partir daí, você saberá se o negócio é viável ou não, por exemplo.

Por fim, como vimos, tão importante quanto saber o que é a análise de custos é ter ciência sobre como fazer uma análise eficaz. Para isso, adotar uma postura mais rígida quanto à documentação dos custos e a sua correta categorização é a base para o sucesso desse expediente.

Além disso, contar com apoio técnico especializado, sem dúvida, pode melhorar a qualidade da gestão financeira da sua empresa a partir da execução de uma análise ainda mais precisa.

Então, este conteúdo foi relevante para você? Que tal compartilhá-lo nas redes sociais e contribuir para que essas informações cheguem a mais pessoas?


Redação Grupo Studio