RECEBA NOSSO CONTEÚDO DE FORMA GRATUITA DIRETAMENTE NO SEU EMAIL

Grupo Studio Franquias Studio Fiscal6 erros comuns na gestão de tributos

6 erros comuns na gestão de tributos

6 erros comuns na gestão de tributos

Todos nós sabemos que a carga tributária no Brasil é absurdamente elevada, sendo considerada uma das mais pesadas de todo o mundo. De acordo com a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), o Brasil é o país que mais paga tributos em toda América Latina e Caribe.

Diante de tal realidade, é natural que as empresas busquem ferramentas e soluções que garantam uma melhor gestão de tributos.

Para ajudar você nessa tarefa, acompanhe este post até o fim e conheça os “sete pecados capitais” que podem ocorrer na gestão tributária, decorrentes de um planejamento ruim. Boa leitura!

1. Desprezar as obrigações acessórias

A gestão de tributos implica o pagamento de uma série de demandas regulares, ou seja, a quitação de impostos devidamente regulamentados. Entretanto, não se esqueça de levar em consideração as obrigações acessórias, tais como:

  • emitir notas fiscais;
  • elaborar o Balanço Patrimonial;
  • elaborar a DIRF (Declaração do Imposto de Renda Retido na Fonte) etc.

2. Pagar multas

Um erro muito grave e, infelizmente, muito frequente é o pagamento de multas. Elas podem ser originadas por diversas razões, estando entre as mais comuns o pagamento em atraso e o pagamento indevido de tributos, devido à inserção da empresa no regime tributário incorreto.

3. Adoção do regime tributário incorreto

Esse erro, além de gerar o pagamento de multas, conforme mencionado, gera aumento de custos, prejudica a rentabilidade do negócio e submete a empresa à aplicação de sanções (que podem variar de acordo com as suas características gerais e as especificidades de seu segmento de atuação).

Em geral, ele decorre de uma seleção inapropriada do regime tributário ao qual a organização deve pertencer, fruto de uma análise mal elaborada das configurações financeiras e tributárias da empresa.

4. Não saber calcular o ICMS

O ICMS é um imposto estadual que apresenta considerável variação no momento da efetuação dos cálculos, mudando conforme a região onde a empresa se localiza. Se você não estiver atento às particularidades de cada área em questão, certamente ocorrerão equívocos nos resultados calculados.

5. Fornecer dados incorretos em relação aos produtos, seu destino e a respectiva origem

As leis brasileiras não são de fácil entendimento, uma vez que estão repletas de detalhes técnicos e instruções ambíguas. Os impostos a serem pagos por um determinado produto podem ser diferentes, dependendo do seu tipo, região de origem dele e área para a qual ele é encaminhado.

6. Realizar a precificação errada

Sempre que um gestor precifica os seus produtos e/ou serviços, ele deve incluir no cálculo o montante gasto com impostos. Se isso for desconsiderado ou encarado de forma superficial, as finanças podem acabar não se mostrando capazes de suprir as despesas tributárias.

7. Não ter um bom planejamento tributário

A carência de um bom planejamento pode prejudicar seriamente a vida financeira da empresa e, até mesmo, ameaçar a sua existência. Portanto, é altamente recomendável fazer todo o esforço necessário para garantir uma boa gestão de tributos.

Afinal, uma gestão de tributos de alta performance, dotada de qualidade e eficiência é absolutamente fundamental para garantir o sucesso da empresa e coibir a ocorrência de erros e, consequentemente, danos ao andamento dos negócios.

Gostou do nosso post? Quer saber mais sobre como identificar erros na gestão de tributos? Então, entre em contato conosco através do chat online e conheça as melhores soluções para a sua empresa!

 


Acesse nossos eBooks gratuitos:

Guia da Consultoria Tributária – A forma mais segura de sua empresa pagar menos impostos
Manual da gestão tributária: Guia prático para empresários

 


Redação Grupo Studio