RECEBA NOSSO CONTEÚDO DE FORMA GRATUITA DIRETAMENTE NO SEU EMAIL

Grupo Studio Franquias Studio Fiscal5 sintomas de que a saúde financeira da sua empresa não vai bem

5 sintomas de que a saúde financeira da sua empresa não vai bem

5 sintomas de que a saúde financeira da sua empresa não vai bem

Ter as contas em dia e observar tranquilamente o crescimento da sua empresa é um dos sonhos de qualquer empreendedor. Porém, nada é tão simples assim. Manter a saúde financeira do negócio é o primeiro passo para qualquer empresa crescer de modo sustentável, e para isso existem alguns fatores que podem ser avaliados para determinar se o seu negócio anda bem ou mal.

Neste post, vamos falar da importância de manter a saúde financeira e apresentar 5 sintomas de que a sua empresa não anda bem nesse quesito e como é possível combatê-los. Se você quer melhorar a gestão da sua empresa, continue lendo e saiba como é possível equilibrar as contas!

 

Saúde financeira para fortalecer os negócios

Para que uma empresa possa crescer e aumentar sua lucratividade, é preciso mais do que apenas uma boa gestão de vendas. Uma empresa financeiramente fragilizada encontra dificuldades para continuar atuando em mercados cada vez mais competitivos.

Portanto, negligenciar a saúde financeira pode, em pouco tempo, levar uma empresa à falência. Empresas que zelam pela saúde financeira antes de se preocupar com o crescimento a todo custo têm maior facilidade para encontrar os melhores negócios.

Saber se a saúde financeira do seu negócio anda mal não é complicado. Qualquer empreendedor pode sentir isso, mesmo não sendo especialista em contabilidade. Entre os sintomas mais comuns destacamos:

  1. receita em queda;
  2. inexistência de indicadores de monitoramento.
  3. falta de clientes novos e evasão dos antigos;
  4. crescimento das despesas;
  5. altos índices de endividamento.

 

Faça revisão de tributos da sua empresa

 

A seguir, vamos explicar brevemente cada um desses sintomas e as possíveis formas de combatê-los.

 

1. Receita em queda

A queda da receita demonstra que a empresa não calcula bem os valores investidos e o retorno gerado em vendas. Logo, a empresa não cresce e precisa cortar gastos para permanecer atuando.

Nesse caso, é preciso avaliar os gastos e cortar o que não é justificado pela produtividade. Outra forma de evitar a queda da receita é adquirir novos clientes gastando menos. Para isso, deve-se repensar as estratégias de marketing.

 

2. Inexistência de indicadores de monitoramento

Para uma boa gestão financeira, é fundamental monitorar indicadores que possam ilustrar a saúde da empresa. Se você não trabalha com nenhum tipo de indicador de monitoramento é preciso começar imediatamente.

Muitas pequenas e médias empresas não têm experiência em lidar com esses aspectos da contabilidade. Em todo caso, para grandes e pequenas empresas, uma das melhores formas de garantir uma boa gestão financeira é contar com profissionais ou agências externas que possam demonstrar de forma imparcial como anda a saúde da empresa.

 

3. Falta de novos clientes e evasão dos antigos

Não conseguir novos clientes e perder os antigos para outro fornecedor pode acontecer por diversos motivos. No entanto, isso ainda indica que algo anda errado.

Para ter certeza, é preciso entender como anda o custo de aquisição do cliente (CAC). Se você gasta muito para adquirir novos clientes e para fidelizar os antigos, é preciso analisar os trabalhos de marketing e de vendas, que podem estar gastando muito com estratégias inadequadas.

 

4. Crescimento das despesas

Com a empresa trabalhando no limite e sem conseguir aumentar as vendas, as despesas vão aumentar gradativamente e podem rapidamente virar uma bola de neve de endividamento.

Se você opera no limite e suas despesas estão aumentando, é hora de ver quais despesas não se justificam para encontrar formas de diminuí-las, seja cortando despesas com profissionais e setores ociosos ou economizando com despesas variáveis.

 

5. Altos índices de endividamento

Se sua empresa se endivida para manter o capital de giro e as contas em dias, a luz vermelha deve acender e os empréstimos devem ser repensados. Especialmente se o endividamento superar os ativos financeiros da empresa com patrimônio ou com o retorno esperado em vendas.

A empresa deve se cuidar para não contrair novas dívidas. Além disso, é preciso renegociar os maiores débitos e, principalmente, evitar empréstimos imediatos, que têm as taxas de juros mais altas do mercado.

Se sua empresa precisa renegociar dívidas para recuperar a saúde financeira, confira nosso artigo sobre as possibilidades de parcelamento de dívidas de pequenas empresas.

 


Acesse nossos eBooks gratuitos:

Guia da Consultoria Tributária – A forma mais segura de sua empresa pagar menos impostos
Manual da gestão tributária: Guia prático para empresários

 


Redação Grupo Studio